O hiperinsulinismo

O hiperinsulinismo


O hiperinsulinismo

Talvez você não saiba, mas existe uma condição rara, porém potencialmente fatal que é o oposto clínico do diabetes, o hiperinsulinismo.
Hiperinsulinismo congênito é condição em que o pâncreas produz muita insulina. Através desta doença, foi possível o entendimento e avanços sobre o tratamento do diabetes.
Esta condição causa perigosamente, baixos níveis de sanguíneos de açúcar no sangue que pode levar a convulsões e danos cerebrais se não forem tratadas rapidamente.
É uma condição complexa, causada por falhas genéticas que mantêm as células produtoras de insulina ativas quando deveriam ser desativadas.
Os motivos do hiperinsulinismo podem ser variados, mas as principais causas podem ser vistas abaixo:

  • Resistência à insulina: a insulina permite a passagem da glicose a algumas células de diferentes tecidos como o adiposo ou o muscular mas, às vezes, estas células criam uma resistência a insulina pelo que deixam de responder perante a ela. Como o organismo identifica que a glicose ou o açúcar não está sendo absorvido por estas células, envia mais insulina para conseguir, resultando em níveis muito elevados deste hormônio.
  • Problemas no pâncreas: quando o pâncreas não funciona corretamente, normalmente é devido algum problema nas ilhotas de Langerhans, que são as responsáveis pela produção de insulina. Pode ser devido a um tumor nesta área, mas também é possível que tenha um tumor no sistema nervoso central e que este não possa enviar sinais corretos ao pâncreas.
  • Conjunto de doenças: é possível que a insulina alta de deva a uma série de doenças ou condições no corpo que provocam esta condição de forma secundária. Por exemplo, o excesso de peso, a obesidade e uma alimentação inadequada com excesso de açúcares podem derivar em uma hiperinsulinemia. Anemia e a bulimia, devido à mal nutrição que comportam, também são fatores causadores desta condição.
  • Hiperinsulinismo congênito: existe um tipo de insulina alta que ocorre no nascimento, neste caso, a doença costuma ser hereditária e pode se apresentar tanto em bebês recém-nascidos quanto em crianças. Quando se trata de recém-nascidos, pode ser confundida facilmente com hipoglicemia ou inclusive com epilepsia, pois os sintomas do hiperinsulinismo e destas outras doenças são muito parecidos, sobretudo nos casos graves.

Sintomas do hiperinsulinismo

Os principais sintomas são fraqueza, dores de cabeça, suores, hipertensão, taquicardias, aumento ou dificuldade para se perder peso, tremores, cãibras, em casos mais graves convulsões, mais fome que o normal, sobretudo de comer carboidratos, entre outros.

Tratamento do hiperinsulinismo

Existe mais de um tratamento, dependendo de qual for a origem da condição, deverá seguir um tratamento ou outro.
Caso se deva a um problema no pâncreas, sobretudo no caso de tumores, o tratamento é cirúrgico. Através deste procedimento, retira-se parte do pâncreas que está afetada podendo resolver ou melhor a condição de hiperinsulinemia.
Em outros casos, o tratamento indicado baseia-se em fazer suficiente exercício e seguir uma dieta adequada.

Doenças secundárias à hiperinsulinemia

  • Diabetes: quando a hiperinsulinemia ocorre por resistência à insulina, o que acontece é que o organismo detecta que acumula glicose na corrente sanguínea e produz mais insulina para combatê-lo. A longo prazo, pode acontecer que o pâncreas, ao se ver tão forçado, já não seja capaz de produzir mais deste hormônio, portanto, o nível de açúcar continua crescendo e se produz uma diabetes.
  • Hipoglicemia: é possível que se o elevado nível de insulina que se acumula no sangue consegue fazer efeito e as células começam a processar a glicose, ocorra então uma queda de açúcar ou hipoglicemia grave.
  • Ansiedade, depressão e insônia: devido ao desajuste do hormônio se não for tratado, pode acabar provocando ansiedade e depressão. Além disso, devido a isso mesmo, também pode fazer com que o sono se torne irregular e se tenha insônias.

*Procure sempre o seu médico!

Fontes:
https://www.news-medical.net/news/20110316/11090/Portuguese.aspx
http://repositorio.chporto.pt/bitstream/10400.16/1146/1/Hiperinsulinismo_NeC_17-3_Web.pdf
https://saude.umcomo.com.br/artigo/sintomas-e-tratamento-do-hiperinsulinismo-26592.html

+ Não há comentários

Deixe o seu